Home Assembleia de freguesia Executivo Serviços Comissão Social Sobre Fátima Turismo e Lazer Contactos Notícias Informações Úteis Contactos Úteis

Biblioteca de Fátima

A Biblioteca de Fátima, inaugurada em Dezembro de 1995, com base num protocolo entre a Junta de Freguesia e a Fundação Calouste Gulbenkian, é hoje um ponto cultural de referência na cidade de Fátima. 

Tutelada atualmente em exclusividade pela Junta de Freguesia de Fátima, é preocupação da autarquia manter o acervo atualizado, com a aquisição permanente de livros e publicações periódicas. Também o espaço físico foi recentemente remodelado. Dotada de computadores com espaço Internet, tem uma secção infanto-juvenil, bem como documentação audiovisual e publicações periódicas. 

Os utilizadores da Biblioteca para além de usufruírem do serviço de fotocópias e impressões, também podem fazer o empréstimo domiciliário de documentos.

Sugestão de Leitura

  ZIVKOVIC, Zoran - O livro. Lisboa : Cavalo de Ferro, 2016. 182 p. ;. ISBN 978-989-623-222-1   Este livro é difícil catalogá-lo, no âmbito da literatura. Não é um ensaio, ou...

Ler mais

CANAIS, Pedro, - A lenda de Martim Regos : onde se conta a história assombrosa de certo português que andou à ventura nas quatro partes do mundo. Alfragide : Oficina do Livro, 2009. 607 p. ;. ISBN 978-989-555-440-9 Pedro Canais é quase nosso conterrâneo, visto que nasceu em Torres Novas, no ano da graça de 1962. Este é o seu...

Ler mais

Novidades

O livro

A lenda de Martim Regos

Lavrenti Béria

Já não terei tempo

O mito da singularidade

O livro

 

ZIVKOVIC, Zoran - O livro. Lisboa : Cavalo de Ferro, 2016. 182 p. ;. ISBN 978-989-623-222-1

 

Este livro é difícil catalogá-lo, no âmbito da literatura. Não é um ensaio, ou tese, e também não é, nem um conto, nem um romance – se por romance atentarmos tratar-se de uma ficção narrativa, com um ou mais narradores e cuja ação decorre, fluída, num espaço temporal, onde se movimentam os personagens. É certo que existem dois narradores: o próprio livro, que fala sobre si mesmo, como espécie de autodiegética; outro, um narrador humano. Na verdade trata-se de um exercício do que é um livro no meio de humanos, mas completamente fora dos enquadramentos usuais que lhe atribuímos: repositório de cultura, de erudição, de ciência, acervo de toda a história da literatura universal. Aqui, o livro aparece como objeto carregado de ironia, uma espécie de teatro do burlesco, de uma ópera bufa. Mas é isso exatamente que o autor pretende, que aflua um registo, de certa maneira cómico, por onde reparte a sua elegância literária. Fá-lo da melhor forma. Nota-se uma influência benéfica de Kafka, em toda a elaboração estrutural do livro. O autor, professor de escrita criativa, na Sérvia, sabe do que fala, visto ser este o seu mundo. Depois de uma sinopse da história do livro, acaba o autor por nos levar, no final, através do editor, ao funeral do próprio livro, ou pelo menos à sua ressuscitação – pela emergência do CD-ROM – ainda não havia o e-book na altura.

Faz-nos simultaneamente pensar e rir – e isso deve ser o objetivo de um livro.

Fechar

 

ZIVKOVIC, Zoran - O livro. Lisboa : Cavalo de Ferro, 2016. 182 p. ;. ISBN 978-989-623-222-1

 

Este livro é difícil catalogá-lo, no âmbito da literatura. Não é um ensaio, ou tese, e também não é, nem um conto, nem um romance – se por romance atentarmos tratar-se de uma ficção narrativa, com um ou mais narradores e cuja ação decorre, fluída, num espaço temporal, onde se movimentam os personagens. É certo que existem dois narradores: o próprio livro, que fala sobre si mesmo, como espécie de autodiegética; outro, um narrador humano. Na verdade trata-se de um exercício do que é um livro no meio de humanos, mas completamente fora dos enquadramentos usuais que lhe atribuímos: repositório de cultura, de erudição, de ciência, acervo de toda a história da literatura universal. Aqui, o livro aparece como objeto carregado de ironia, uma espécie de teatro do burlesco, de uma ópera bufa. Mas é isso exatamente que o autor pretende, que aflua um registo, de certa maneira cómico, por onde reparte a sua elegância literária. Fá-lo da melhor forma. Nota-se uma influência benéfica de Kafka, em toda a elaboração estrutural do livro. O autor, professor de escrita criativa, na Sérvia, sabe do que fala, visto ser este o seu mundo. Depois de uma sinopse da história do livro, acaba o autor por nos levar, no final, através do editor, ao funeral do próprio livro, ou pelo menos à sua ressuscitação – pela emergência do CD-ROM – ainda não havia o e-book na altura.

Faz-nos simultaneamente pensar e rir – e isso deve ser o objetivo de um livro.

Fechar
A lenda de Martim Regos

Fechar
Lavrenti Béria

Fechar
Já não terei tempo

Fechar
O mito da singularidade

Fechar

Contactos

Contacto Telefónico
249 538 756


Localização
Biblioteca Pública de Fátima
Rua Jacinta Marto
2495-450 Fátima

Horário de Funcionamento

Segunda a Sexta-feira
09h00m - 12h30m | 14h00m - 17h30m 
(Encerrada de 1 a 29 de agosto)